Piolho na Cabeça
Ah! Não esquente! Até o Joel Santana tem piolho…

Quando era mais jovem (eu ia dizer “menor” mas, dada a minha estatura, a lembrança de um duende falante não seria legal) eu tive muito piolho. Meus irmãos também.  Minha mãe ficava desesperada, não sei se pelo fato de arrebentarmos a cabeça coçando ou pela vergonha de ter os filhos “sujos”. Lembro até hoje do inferno que era ficar com um pano cheio de álcool na cabeça enrolado num saco plástico, da queimação irritante, das longas e doloridas horas tendo o cabelo puxado pelo pente fino até que a praga saísse da cabeça. E os piolhos sempre voltavam.

Eu tenho duas filhas em idade escolar. E o contato com outras crianças no ambiente fechado de uma sala de aula aumenta o risco de contágio, já que a infestação por piolho (pediculose, para os mais letrados) acontece quando ele pula de uma cabeça para outra. As lêndeas – os ovos do piolho – ficam grudadas nos fios de cabelo e são fáceis de serem reconhecidas, não dá para confundir com caspa.  A coceira intensa no couro cabeludo é o principal sintoma da pediculose, e ficar coçando até ferir (como eu fazia) pode provocar uma infecção secundária.

Eu e minha digníssima patroa (ok, mais ela do que eu) já sofremos pra cacete com as crianças com piolhos. Usamos TODOS os xampus milagrosos que apareciam na televisão. TODAS as simpatias e tratamentos caseiros que minha avó indicava – álcool na cabeça, vinagre, óleo queimado, e por aí vai – e até já pagamos alguém pra ficar horas catando o piolho na cabeça das crianças. O resultado era sempre temporário. SEMPRE voltava.

Até que há alguns anos descobri um remédio chamado Revectina, do laboratório Solvay Farma. Não lembro se foi indicação de alguém ou sugestão do pediatra. Mas o fato é que, depois das meninas terem tomado as duas pílulas da caixinha NUNCA MAIS os piolhos voltaram. Pelo que eu li, parece que a Revectina tem em sua fórmula uma substância ativa que permanece no sangue da criança e que paralisa o piolho, levando-o à morte. Lindo, não é? Depois é só reforçar a dose e tirar o que sobrou na cabeça da criança com um pente fino.

Mas é claro que você não é idiota o suficiente para dar um remédio a seu filho sem antes conversar com o pediatra. Como sou um pai responsável e inteligente, foi o que eu fiz. Até porque tem médico que não recomenda, pois a criança deve ter acima de 2 anos e pesar mais de 15 kg antes de tomar remédio para piolho.

Outras medidas para evitar piolhos

Não adianta só ficar dando remédio e passando xampu na cabeça da garotada para evitar que sejam infestadas por piolhos. Todo mundo tem que ajudar. Listo aqui algumas pequenas e simples dicas que sigo.

  • Peça a escola para enviar comunicados frequentes sobre a importância da prevenção da infestação por piolhos e com medidas simples de verificação.
  • Não deixe que seu filho utilize pentes ou escovas de outras crianças. As minhas andam sempre com uma na mochila.
  • Fique sempre de olho no comportamento. Começou a coçar a cabeça, tá na hora de sentar e olhar o cabelo fio por fio.
  • Converse sempre com o pediatra sobre o assunto.


DISCLAIMER: Este artigo é apenas um relato pessoal do inferno que é para acabar com os piolhos e como enfrentei a situação. NÃO é um post pago. NÃO se deve tomar remédio sem prescrição médica.

 

Aproveite que está aqui e assine o feed dos posts. Obrigado!
Você pode deixar um comentário, ou enviar um trackback do seu site.