pão de queijo

Minas Gerais sempre esteve presente na minha vida, tanto para o bem quanto para o mal. Seja pelos parentes distantes perdidos por lá que sempre mandavam docinhos e quitutes mineiros pro Rio, seja pelas longas temporadas de trabalho que fui obrigado a passar naquele Estado.

E para quem não sabe, Minas fica exatamente no meio da viagem de carro entre Brasília e o Rio de Janeiro. Das longas 14 horas dirigindo, 10 horas são em solo mineiro. Só neste mês de Julho, fiz este trajeto 4 vezes. Fazendo as contas, foram 40 horas involuntárias na terra da cachaça e do come-quieto.

Durante a viagem é difícil não dar uma paradinha nas inúmeras lanchonetes dos postos de gasolina pelo caminho. Como também não é difícil, com um ouvido atento, ouvir “causos” e histórias pitorescas entre um pão de queijo e outro.

Essa aí debaixo ouvi de dois moleques que conversavam atrás de mim. E o cara jura que é verdade.

Durante escavações nos EUA, arqueólogos descobriram, à 100 m de profundidade, vestígios de fios de cobre que datavam do ano 1000 DC. Os americanos concluíram que seus antepassados apaches e cherokees já dispunham de uma rede telefônica naquela época.

Os argentinos, para não ficarem para trás, escavaram também seu subsolo, encontrando restos de fibras ópticas a 200 m de profundidade. Após minuciosas análises, concluíram que elas tinham a idade de Cristo. Os argentinos concluíram, triunfantes, que seus antepassados já dispunham de uma rede digital a base de fibra óptica quando Jesus nasceu!

Uma semana depois, lá em Belo Horizonte, foi publicado o seguinte anúncio: Após escavações arqueológicas no subsolo de Contagem, Betim, Barbacena, Formiga, Juiz de Fora, Varginha, Poços de Caldas, Itajubá, Lagoa Dourada e São João del Rei, Vis do Rio Branco, Ouro Preto e diversas outras cidades mineiras, até uma profundidade de 500 metros, os cientistas Mineiros não encontraram absolutamente nada. Assim se conclui que os antigos Mineiros já dispunham há mais de 5.000 anos de uma rede de comunicações sem-fio: WIRELESS.

Por isso se pronuncia “uai’re less“.

Então tá!