Lenda, segundo o Houaiss, é um “mito popular de origem recente; uma tradição popular; uma fraude; uma mentira;”. Lá no Rio há anos escuto de que o crack é uma droga com penetração muito pequena, ou quase inexistente na cidade, por conta dos próprios traficantes. Isso porque ela mata muito rápido, então este “mercado” perde seus “consumidores” na mesma velocidade.

Crack é a droga dos pobres

Tudo mentira. O consumo de crack tem aumentado muito no Rio devido ao seu preço extremamente baixo e grande poder viciante, quando comparado às trouxinhas de maconha e papelotes de cocaína. E a faixa etária de consumidores só tem caído: a garotada tem guardado o dinheiro da merenda para comprar pedras de crack. Daí a tal Lenda de que os traficantes do Rio preferem vender maconha e cocaína do que o crack, impedindo sua entrada nas favelas. E pela primeira vez a polícia do Rio admite que o crack já está à venda em todas as boca-de-fumo das favelas cariocas.

Os traficantes do Rio parecem ter a mesma estratégia mercadológica das grandes redes de comercio varejista, e perceberam que vender produtos com preço mais baixo e qualidade superior aumenta seu mercado consumidor. Os efeitos do crack são devastadores: ele é tão alucinante e deixa o sujeito numa fissura tão grande, que o cara é capaz de fazer qualquer coisa para repetir a dose.

Como a merla, uma droga muito comum aqui no Distrito federal, o crack é conhecido como a droga dos pobres. É produzido toscamente a partir de folhas de coca esmagadas com querosene, ácido sulfúrico, éter, acetona e ácido clorídrico. Bastam três doses pro sujeito viciar. Mas o efeito é rápido: em dois minutos o cara já fica careta. Por isso a procura é enorme.

Problemas com drogas tem em qualquer cidade brasileira. Inclusive aqui em Brasília, com sua juventude hipócrita e sem propósitos. Mas no Rio é tudo muito mais complicado.

 

Aproveite que está aqui e assine o feed dos posts. Obrigado!
Você pode deixar um comentário, ou enviar um trackback do seu site.