Obama é mineiro, e passa férias no Rio

Por Raphael Roale em 08/11/2008

Barack Obama foi eleito presidente do Estados Unidos nesta semana. Até aí, nenhuma novidade. Mas o que as pessoas não sabem é que, além de ser mineiro de Belo Horizonte, o malandro veio passar uma temporada aqui no Rio.

Barck Obama é carioca
Sósia de Barack Obama curtindo uns dias no Rio de Janeiro

O cara da foto aí de cima é Gerson de Almeida, e é a cara do Obama. Tanto que já pensa em ganhar uns trocados como sósia do presidente recém eleito, e faz parte dos quadros de uma empresa especializada em encontrar sósias por todo o país – a Agência O Gordo e o Magro. Quer deixar se ser funcionário público.

Ele foi descoberto por um grupo de turistas americanos enquanto passeava pelo Rio de Janeiro. Agora é chamado de Obama no trabalho, na padaria e no açougue próximos a sua casa.

Via G1


E o Crack avança na sapucaí… abram alas!

Por Raphael Roale em 06/11/2008

Lenda, segundo o Houaiss, é um “mito popular de origem recente; uma tradição popular; uma fraude; uma mentira;”. Lá no Rio há anos escuto de que o crack é uma droga com penetração muito pequena, ou quase inexistente na cidade, por conta dos próprios traficantes. Isso porque ela mata muito rápido, então este “mercado” perde seus “consumidores” na mesma velocidade.

Crack é a droga dos pobres

Tudo mentira. O consumo de crack tem aumentado muito no Rio devido ao seu preço extremamente baixo e grande poder viciante, quando comparado às trouxinhas de maconha e papelotes de cocaína. E a faixa etária de consumidores só tem caído: a garotada tem guardado o dinheiro da merenda para comprar pedras de crack. Daí a tal Lenda de que os traficantes do Rio preferem vender maconha e cocaína do que o crack, impedindo sua entrada nas favelas. E pela primeira vez a polícia do Rio admite que o crack já está à venda em todas as boca-de-fumo das favelas cariocas.

Os traficantes do Rio parecem ter a mesma estratégia mercadológica das grandes redes de comercio varejista, e perceberam que vender produtos com preço mais baixo e qualidade superior aumenta seu mercado consumidor. Os efeitos do crack são devastadores: ele é tão alucinante e deixa o sujeito numa fissura tão grande, que o cara é capaz de fazer qualquer coisa para repetir a dose.

Como a merla, uma droga muito comum aqui no Distrito federal, o crack é conhecido como a droga dos pobres. É produzido toscamente a partir de folhas de coca esmagadas com querosene, ácido sulfúrico, éter, acetona e ácido clorídrico. Bastam três doses pro sujeito viciar. Mas o efeito é rápido: em dois minutos o cara já fica careta. Por isso a procura é enorme.

Problemas com drogas tem em qualquer cidade brasileira. Inclusive aqui em Brasília, com sua juventude hipócrita e sem propósitos. Mas no Rio é tudo muito mais complicado.


Pessoas com Aids: vídeos de histórias reais

Por Raphael Roale em 06/11/2008

Até o dia 7 de Novembro acontece aqui em Brasília a oitava edição do ExpoEpi (Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças). Esta iniciativa do Ministério da Saúde discute temas como tuberculose, hepatites virais, dengue, malária, hanseníase, DST-Aids, doenças imunopreveníveis, outras doenças transmissíveis, doenças e agravos não-transmissíveis, vigilância em saúde ambiental, sistemas de informação, vigilância epidemiológica hospitalar e investigações de surtos.

A novidade deste ano é que dentro do Programa Nacional de DST e Aids do Ministério da Saúde será lançada a série de documentários intitulada “Histórias de todos nós”. São filmes que mostram depoimentos reais de pessoas comuns  que falam sobre prevenção, diagnóstico e formas de transmissão da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis.

Vídeo “A Aids na minha vida” – pessoas com Aids que convivem com a doença há décadas, lidaram com o preconceito, a discriminação, e hoje levam uma vida quase normal.

Vídeo “A pior violência é o preconceito” – pessoas com Aids que convivem diariamente com a intolerância e o preconceito da sociedade com relação à doença, discriminação e homossexualidade.

“Histórias de todos nós” são pequenos documentários. Ideal para ser exibido em sala de espera de serviços de saúde ou em locais onde a discussão sobre DST/HIV/Aids possa ser estimulada como em escolas, universidades, consultório médico e presídios, etc.).

Para ver na íntegra todos os vídeos dos documentários, visite o portal sobre Aids e DST do Ministério da Saúde.

Para saber tudo sobre Aids, desde formas de transmissão, diagnóstico e prevenção, visite o excelente artigo do Dr. Health.


A vitória de Barack Obama é o fim da intolerância?

Por Raphael Roale em 05/11/2008

Barack Obama ganhou as eleições americanas. Foi eleito o 44º presidente dos Estados Unidos. No seu discurso da vitória, o ex-senador democrata disse que a “hora da mudança chegou à América”.

Barack Obama

Daí que eu lembrei uma pequena história que me contaram:

Obama morreu. Chegando no céu deu de cara com São Pedro, o guardião dos portões sagrados e recepcionista oficial de Sua Santidade. Olhando para aquele homem negro, magro, com cara de bonzinho, São Pedro com a lista na mão pergunta:

– Quem é você que planeja entrar pelos portões do céu?

– Meu nome é Barack Obama, São Pedro. Tenho origem pobre, sobrenome não muito confiável, e sou o primeiro presidente negro eleito nos Estados Unidos.

– Mas não te encontro na lista, meu filho! Quando foi isso?

– Há cerca de 20 minutos.

Já se passaram algumas horas desde o anúncio de sua vitória. Barack Obama já apareceu em público e fez o seu discurso para milhares de pessoas. É o fim da intolerância? Do racismo? Da segregação racial que – na teoria – foi abolida há mais de 50 anos dos Estados Unidos?

Bem, se eu fosse o Obama ficava quieto no meu canto por algum tempo.


Retorno sobre investimento ou estupidez do banco?

Por Raphael Roale em 04/11/2008

Crise mundial que nada! O negócio agora é aproveitar a imparcialidade, rigidez e estupidez dos bancos para conseguir um magnífico retorno sobre seu investimento.

_divida

O Banco Popular do Brasil é uma iniciativa do governo para “democratizar o acesso ao crédito” para população, cuja operação fica a cargo do Banco do Brasil. Em outras palavras, é o banco dos isentos (apropriei, morróida). Quem recorre a esta instituição em geral é gente pobre, que trabalha na informalidade, e quer em média uns 200 reais emprestados para pagar a conta pendurada no supermercado ou comprar tinta para terminar o serviço.

Pois bem. Dona Maria pegou 150 reais de empréstimo em 2004 e dividiu em várias vezes. Pagou as primeiras sete parcelas direitinho, mas se enrolou com as demais. Seu nome foi parar no Serasa, obviamente. Mas dois anos depois, em 2006, sobrou uns trocados e ela quitou seu débito no banco.

Certa de que seu maior bem estava preservado – seu nome, ora bolas! – Dona Maria foi até uma loja de departamentos comprar umas coisinhas que faltavam para sua casa. Mas qual não foi a surpresa quando teve que devolver, já no caixa, todas as suas compras ao descobrir que seu nome continuava sujo. Pânico! Constrangimento! Humilhação!

Sabe o valor da dívida? 10 centavos! E ainda era daquele empréstimo de 150 reais que a Dona Maria quitou com muito custo depois de dois anos. O banco alega que Dona Maria demorou alguns dias para fazer a quitação do montante informado pela central de atendimento, gerando acréscimo de 10 centavos no total a ser pago. Por esse motivo, o registro não foi retirado do cadastro da Serasa pois o sistema – sempre ele! – não tem como saber se o valor da dívida é insignificante.

Mas a Justiça foi feita: Dona Maria vai receber uma indenização de 4 mil reais pela estupidez do Banco Popular. De acordo com o Juíz do caso, “a inscrição do consumidor em órgão de proteção ao crédito por dívida de 10 centavos representa verdadeira afronta ao art. 51, IV, do Código de Defesa do Consumidor, em face da abusividade da medida, bem como ao princípio da razoabilidade.”

Aí eu te pergunto: o que a Dona Maria da história vai fazer com tanto dinheiro?

Via: Clicabrasilia


Amigo Secreto: participe você também

Por Raphael Roale em 29/10/2008

Se você tem um blog e gosta de brincadeiras, não deixe de participar do extraordinário “Amigo Secreto da Blogosfera“.

_amigo_secreto

Mas corra pois as inscrições só vão até o próximo dia 30/10 através deste link.

O Amigo (ou inimigo, quem vai saber…) Secreto constitui de apenas algumas coisas:

  • Participantes
  • Sorteio dos Amigos de modo secreto
  • Distribuição dos presentes.

Simples, fácil e não faz sujeira alguma.


FutureCom e a desgraça paulista

Por Raphael Roale em 29/10/2008

Estou em São Paulo por estes dias para a FutureCom 2008. Eu não gosto muito dessa cidade, mas tenho que admitir que em nenhum outro lugar o clima cosmopolita é tão impressionantemente forte como aqui. Desde a paisagem de concreto até o andar apressado das pessoas. Tudo é diferente.

Novotel Morumbi em São Paulo

Eu sei que estou em São Paulo quando:

  1. Olho pro céu e não vejo o céu;
  2. O taxista só sabe falar mal da Marta (aquela desgraçada!) e bem do Kassab (é viado mas ajudou a classe!)
  3. O taxista precisa olhar num guia onde fica meu hotel (qual o nome da rua mesmo?);
  4. Levo 2 horas para percorrer 20 Km (pensei que fosse levar só 20 minutos, carioca!)
  5. O checkin do hotel leva 2 minutos (é só passar o cartão fidelidade, senhor!);
  6. O sotaque da atendente do balcão me irrita;
  7. O elevador do hotel pede que insira o cartão do seu quarto (senão paga mico com a porta fechada, como eu);
  8. Chego no quarto e já tenho a minha camisa passada, que pedi no checkin;
  9. A TV do quarto de hotel é grande e de LCD;
  10. Tem os canais Telecine na TV do quarto;
  11. A Internet no quarto custa 6 reais o minuto;
  12. Peço um pedaço de pudim que não comi no jantar e ganho quase o pudim inteiro;
  13. Não vejo a hora de voltar pra casa;

Prometo que amanhã falo e divulgo minhas fotos sobre FutureCom. Hoje minha cota paulista já deu!


Kassab é gay

Por Raphael Roale em 22/10/2008

A afirmação de que Kassab é gay não é minha, e sim da candidata a prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, que no fogo da campanha eleitoral produziu um vídeo de 30 segundos como munição de sua candidatura difamando a vida de seu adversário.

O engraçado disso tudo é que a candidata Marta Suplicy construiu sua carreira pública e ganhou notoriedade como defensora dos homossexuais, da diversidade e liberdade sexual. E apelar para os instintos mais primitivos e preconceituosos do eleitor no centro da campanha política é mais uma prova de que não se faz política no Brasil, só eleição: É como se a cidade de São Paulo fosse um oásis de pureza e bem-estar, e que nada sobre para discutir além da orientação sexual de prefeito.

Se você não mora em São Paulo, como eu, assista o vídeo da campanha eleitoral de Marta Suplicy em que seus marketeiros insinuam que Kassab é gay:

O vídeo da campanha é claramente dirigido aos evangélicos, praga notoriamente homofóbica e intolerante com qualquer coisa que seja distante de seus delírios celestes e diferente da “obra de Deus”.

Ainda bem que aqui no Distrito Federal não vai ter eleição. Vai me poupar de um dedo na garganta.


Agora é lei: letra de médico nunca mais!

Por Raphael Roale em 20/10/2008

Letra de médico é um droga, e ser médico hoje é sinônimo de escrever garrancho! Só funciona naquele atestado médico em que só o que importa mesmo são os dias de licença médica.

Lembro que certa vez, de madrugada, tive que voltar ao maldito pronto-socorro para re-escrever uma receita médica porque em duas farmácias não conseguiram entender o que o malandro prescreveu para minha filha. Isso debaixo de chuva e ela com febre de quase 40 graus! Geralmente pergunto várias vezes o nome do remédio, mas naquele dia, no meio da crise, havia esquecido completamente.

Receituário Médico Ilegível
Receituário: um doce para quem decifrar!

Mas agora a maldição das receitas ilegíveis parece que chegou ao fim, pelo menos aqui no Distrito Federal: o nosso benevolente governador Arruda sancionou uma lei que obriga que todas as receitas feitas por médicos e dentistas nos hospitais públicos e particulares do DF sejam informatizadas. E ainda dá ultimato: o prazo para a implementação do sistema é de 90 dias.

Mas nem tudo são flores. A Secretaria de Saúde do Distrito Federal acha que três meses é pouco tempo para a instalação do sistema eletrônico e já prevê atraso no cumprimento da lei na rede pública. E o Sindicato dos Médicos do DF reza na mesma bíblia, com a desculpa para já comunicar o atraso pois nem todos os médicos sabem utilizar computador e Internet. E os coitadinhos precisam de mais tempo para “capacitação“!

Será que esses caras não conhecem estagiários?

Fonte: G1


Crise Mundial: operadora católica contra o Diabo capitalista

Por Raphael Roale em 20/10/2008

Sobre a crise mundial, a crise financeira global, o papa Bento XVI deu uma declaração dizendo a fé em Deus é melhor do que passar a vida buscando riqueza material: “O dinheiro desaparece, ele não é nada”.  Usando uma metáfora bíblica, disse que as pessoas que ignoram o mundo de Deus para buscar a riqueza construíram suas casas sobre areia, em vez de uma base sólida de fé. E que somente o mundo de Deus é a base de toda realidade.

Só que nem todos de seu rebanho pensam da mesma forma.

Padre Tadeusz Rydzyk - servo de deu$$
Linhas tortas? Só se não forem 3G.

Este senhor aí de cima é o padre polonês Tadeusz Rydzyk. Contrariando todos os ensinamentos bíblicos e ordens do pontífice, resolveu criar uma operadora de telefonia celular católica que, além de tarifas econômicas, oferecerá serviços especiais como rezas em SMS, melodias cristãs e fundos de tela com motivos católicos. Tudo para fugir da crise financeira global.

O padre é da ordem redentorista e fundador da rádio Maryja, e resolveu flertar com a heresia fundando o negócio com o apoio de outro polonês, o empresário Roman Karkosik, um dos homens mais ricos domundo.

É… Deus escreve certo por linhas tortas? Se estas linhas forem móveis e tiver tecnologia 3G não será tão torta assim.


buy ciprofloxacin